segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Pai Natal, o maior dos chulos!


Tenho uma especial embirração pelo Pai Natal, que querem... Sempre tive, por isso uma das coisas que hoje agradeço aos meus pais foi nunca me terem impingido essa história de um velho de barbas, gordo, que desce pelas chaminés para deixar as prendas nas casas dos meninos que se portaram bem.

Em primeiro lugar, porque acho que o Pai Natal é elitista, já que só trabalha nos países desenvolvidos e do hemisfério norte. As crianças de África também se portam bem, até mereciam mais e melhores prendas e não me parece que o Paí Natal, com aquelas roupas quentes todas, chegue lá. Morria de calor... E as renas nao se devem dar bem com aquelas temperaturas... E muitas palhoras e barracas nem chaminé têm.

Em segundo lugar, porque o Pai Natal é o maior chulo da história da humanidade. Quer dizer: anda uma pessoa a esfolar-se de trabalho o ano inteiro; a fazer sacrifícios para comprar prendas aos nossos filhos, sobrinhos ou afilhados e depois o Pai Natal é que leva com os louros?

19 comentários:

@tt disse...

Estava aqui a sonhar-te vestidinho de Pai Natal e a fazer um strip. Para mim, claro!





OH OH OH

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..rs..

Viva Attitude

E as renas a terem um ataque de riso...rs..rs..rs..

Viste o American Gigolo, não vistes? Eu seria um bocadinho pior... rs..rs..rs..

Beijinhos

Joana MartinS disse...

adoorooo o sarcasmo das tas palavras... sou obrigada a concordar cntgo e olha qe eu adoro o pai natal...cá em casa é o meu avô..lloooll daí a familariedade...

Kiss*

cabra-nazi disse...

Olá gostei do que li :)

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva Joana MartinS


Olha, em primeiro lugar obrigado pelo comentário. É sempre uma emoção grande aparecer alguém novo neste espaço. E porque nesta casa não existe cerimónia, fica à vontade :-)

Quanto ao que escrevestes, o teu avô é muito mais simpático do que o Pai Natal. Porque é o teu avô, porque gosta de ti, porque é real.

Beijinho

PS - Acreditava que a tua terra me iria aquecer durante esta semana de trabalho, mas nem aqui o frio e a chuva me deixaram em paz... rs..rs..

Jorge Pessoa e Silva disse...

:-) Viva Cabra-nazi


Gostei do que escreveste :-)

Beijinhos e obrigado

**laura** disse...

O pior de tudo é que tens razão... vamos fingindo que é Natal, paz e amor e carinho e saúdinha para todos, quando afinal tudo continua na mesma e para quem mais precisa, de verdade, nada muda. De qualquer forma, enquanto nos for possível, penso que não vem mal ao mundo se pudermos viver e transmitir a magia que se sente nesta quadra... nos mais pequenos gestos se muda o mundo inteiro, por isso vou continuar a dizer ao meu afilhado que o carro grande que ele pediu e que eu já pus debaixo da árvore para ele foi mesmo entregue pelo simpático velhote de barba branca eheheheheh

Beijinhos, Jorge, um Feliz Natal! Que seja feito de paz e alegria junto daqueles que mais amas :)

**

P.B. disse...

Tens toda a razão Jorge...
Ele se quiser louros que traga também as prendas!
Eu por acaso deixei de acreditar nele muito cedo...
Até procurava as prendas antes do Natal em todos os sítios possíveis, sem que a minha mãe soubesse, ficava apenas a dúvida de qual seria para mim ou para a minha irmã!
Ai, bela idade a infância! Que saudades :)

Beijinhos e um óptimo Natal :)

Equilibrista disse...

Olá =)

eu por acaso também nunca acreditei piamente que o pai natal existia, mas os meus pais também nunca fizeram grande sacrifio para que eu achasse que ele realmente existia!

Ainda hoje me lembro o dia em que tive a certeza de que ele não era verdadeiro... e foi a minha educadora de infancia que me disse. E tudo, porque eu reparei que o "Pai Natal" tinha exactamente os mesmo sapatos que a educadora de infancia que por coincidência não tava lá quando o Pai Natal nos foi entregar as prendas. Acho que as massacrei tanto que elas lá confessaram, mas fizeram-me prometer que nao contava aos outros meninos! ;)

Beijinho**

Miss Shag well disse...

Feliz Natal, amigo. :)


Beijos

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..

Equilibrista


Já na altura tinhas um olho... clínico...rs..rs..rs..
Se bem que os adultos não costumam ser nada discretos nessa coisa de se disfarçarem de pai natal...rs..rs...

Beijinhos

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva Laura

Olha, o carro grande obrigou-te a fazer alguns sacrifícios: a ir para filas, a gastar dinheiro. O carro grande é também sinal que o querias fazer feliz. Que gostavas de ver o sorriso dele. Eu acho que ele merece saber quem realmente pensa nele e se sacrifica. E o pai natal aparece no fim dessa lista.

Obrigado e beijinhos

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva P. B.

Belos tempos, não era? A gente a tentar abrir as prendas sem estragar o embrulho, só porque não resistiamos à curiosidade... rs.. rs...

Beijinhos e continuação de boas festas. Abraço ao Márcio

Jorge Pessoa e Silva disse...

Olá Joaninha

Festas felizes para ti também. E para todos os que amas.

Beijocas

@tt disse...

Jorge, amigo... sou isenta de taxas moderadoras, logo penso que sejas tu e mais uns quantos beneficiários que descontam para a dita instituição S.S. (isto pode parecer arrogância, mas é honestidade. Ahhh... e eu também já descontei!). =))


E amigo... certamente que quem te faria o stip era eu, mas despia-te a ti, lógico!!! Pq eu ando bem tapadinha... está frio.


Fora as brincadeiras, desejo-te um 2010 com dois lados mais sérios (a continuação da vida de blogger em cheio e muito, mas mesmo muito, imensoooooo sex...appeal!


Beijo.te e até para o ano!

Ricardo disse...

Também não acho piada nenhuma ao consumismo, magia natalicia é uma coisa consumismo exagerado é outra!

Abraço

Anónimo disse...

festas mas qual festas se tu não acreditas em nada que não esteja na tua mente iluminada e planetaria !

sera que acreditas que os teus antepassados existiram , e teus pais viste como e ...

Anónimo disse...

festas mas qual festas se tu não acreditas em nada que não esteja na tua mente iluminada e planetaria !

sera que acreditas que os teus antepassados existiram , e teus pais viste como e ...

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva anónimo

Confesso que bloquei com aquela parte do mente iluminada e planetária... Como só estou habituado a que me chamem palhacinho, fiquei embasbacado com tamanho elogio.