sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

E o cigano sou eu?

Estou à porta do jornal e vejo um homem, cigano, com uma saco na mão a tentar vender casacos de senhora a quem passava na rua.

«Que espectáculo, minha senhora. Se você puser uma pilha até deita fumo...», disse, bem disposto. O mais curioso é que a senhora tentou saber mais pormenores e o homem entusiasmou-se de tal forma que pouco faltou para dizer que o casaco, além de ser útil para o frio, também lavava a loiça, aspirava, limpava o pó e cozinhava. Esticou-se de tal forma que a senhora foi à vida dela sem comprar o casaco.

Eu sorria e ele virou-se para mim:
«Amigo, o cigano dá cada música... Mas tem de ser... Já imaginou o que seria se eu fosse primeiro-ministro?»

Estive mesmo para lhe responder, mas achei-lhe tanta piada que seria cruel estar a estragar-lhe a ilusão...

4 comentários:

@tt disse...

Para cigano, cigano e meio...





Abraço.te

Anónimo disse...

Coitado do cigano, o actual Primeiro iria ter de lhe dar umas lições. Quando o cigano vai já o Primeiro vem!

Sofia

Jorge Pessoa e Silva disse...

Attitude


Pois, coitado do cigano...

Beijinhos

Jorge Pessoa e Silva disse...

sofia


Nem mais...rs..rs.. Mas pronto, não quis tirar do cigano aquele brilho de matreirice...

Beijinhos