quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Carnaval gay




A conhecida escola de samba Salgueiro, do Brasil, decidiu abrir uma ala especial para o desfile do Carnaval de 2009 destinada a «60 gays».

A notícia diz que esta ala virá no final do cortejo da Salgueiro, o que eu acho muito mal, porque ir mesmo atrás do cortejo se presta a trocadilhos de gosto manifestamente duvidoso. Se bem que, bem pior em matéria de trocadilhos seria iniciativa igual da escola... Mangueira. Imaginem o que seria alguém vir dizer que 60 gays de Mangueira foram no cu do cortejo...

Eu só gostava de saber porque é que se cria uma ala só para gays e, segundo a notícia, a pedido destes...

Se aquilo é para dançar, qual a utilidade de sabermos que os homens são gays, heterossexuais ou bissexuais?

E porque não uma ala para lésbicas? Nem seria mau quanto ao marketing. Afinal, duas mulheres enrolarem-se é a segunda fantasia sexual dos homens...

30 comentários:

P.B. disse...

Olá Jorge

Não são os homossexuais que querem igualdade de direitos? Se assim é porque quiseram destaque numa ala individual? Porque não se misturaram com o restante pessoal? Porque é mesmo como dizes, se é para dançar o que interessa saber qual a orientação sexual de cada um. Era quase como se houvesse uma ala só para brancos e uma só para pretos (note-se que não sou adepta de qualquer tipo de racismo, muito pelo contrário).

Beijinhos e bom dia

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva P. B.


Há um amigo meu que vive nos Estados Unidos e que diz, na brincadeira, que o melhor que pode acontecer a um americano é ser gay, preto e judeu ao mesmo tempo...

Ou seja, de tanto lutarem pela igualdade de tratamento (que vai muito além da igualdade de direitos), algumas minorias conseguiram ir muito além do justo, nomeadamente implantando na maioria uma espécie de auto-censura que chega a ser ridícula...

O racismo é uma das manifestações mais absurdas do ser humano, porque não vê o conteúdo e se cega com o embrulho. Mas o exibicionismo também é ridículo. Eu não ando aí a reivindicar tratamento particular porque sou... heterossexual...


Beijinhos

Equilibrista disse...

Bem... Adorei os trocadilhos =p.
E em relação à ala especial para eles, eu tenho a dizer que se eles se dizem discriminados, sinceramente, eu acho que eles próprios é que se estão a discriminar!! Porquê um local especial? Só se for para chamar a atenção, ou até chocar os mais conservadores... Não tenho nada contra, e eu respeito as opções de cada um... Mas não acho ser esta a melhor forma deles se afirmarem!
Assim como, continuo sem perceber porque é que muitos pretos se sentem ofendidos quando a gente o chama de preto... a mim, se me chamassem de 'branco' eu não me sentiria ofendida... muitas vezes, são as próprias pessoas que fazem a sua própria discriminação!

**

Jorge Pessoa e Silva disse...

Nem mais, Equilibrista


A não discriminação é eu não fazer a mínima questão de saber, nem me importar nada, da orientação sexual de cada um. Aquilo já me cheira a exibicionismo. Colocam-se numa jaula para serem apreciados... Opções de quem quer, não tenho dúvidas, chamar a atenção, chocando. Mas para quê? Com que intuito? A malta vai ao Carnaval para sambar, não para... Quer dizer, há quem também só pense nisso...rs..rs... mas eu é que não tenho nada a ver com isso...rs..rs..

Beijinhos

provocação disse...

Eles querem ir sózinhos para se divertirem mais! E que gays, qualquer dia mudo de sexo, já disse!

Carloressu disse...

Qual é a primeira fantasia preferida dos homens? lol

abraço

CarlaSofia disse...

Olá meu querido Jorginho

saudações leoninas
olha que engraçadinhos de tanga vermelha...
bom fim de semana
beijinhos cósmicos vindos dos universos questionaveis

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..rs..

Cruzes provocação...rs..rs... Deixa-te estar assim...rs...rs...

Beijinhos

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..rs..

Viva Carloressu


Estar no meio delas...rs..rs...rs.. Como se não soubesses...rs..rs..

Abraço

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..

Viva Carlinha

Saudações leoninas para ti também. E dedos cruzados para amanhã, ok? De tanga vermelha temos de deixar os benfiquistas, ok? rs...rs...


Beijinhos e obrigado

Fátima disse...

Olá Jorge!
O trocadilho é engraçado mas só funciona em Portugal. É que a mangueira da escola de samba é referente a árvore. A mangueira do trocadilho, os cariocas chamam de borracha.
Quanto a ala da Salgueiro, é mesmo uma questão de exibicionismo, os gays cariocas são, numa grande maioria, autenticas bichas loucas.E com a falta de homens que há por lá também são um desperdício.
Só para que conste o vermelho e branco são as cores da Salgueiro.

Beijinhos

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..rs..rs...

Viva Fátima

Só para que conste, e sem ponta de ironia, cada vez mais me convenço que tenho o melhor painel de comentadores da blogosfera. Gente inteligente e mais culta do que eu que me apara as quedas e confere dignidade até aos meus maiores disparates...rs..rs..

Segunda questão: em nem quis ir por aí, mas faço uma diferença entre homossexuais e bichas loucas...rs...rs...rs... No fundo, o que me mexe com a sensibilidade é o exibicionismo, sejam homossexuais, sejam casas heterossexuais que se beijam de forma tão ostensiva que quase levo com cuspo na cara ao passar... rs..rs..rs..

Beijinho e obrigado

Fátima disse...

OK Jorge, eu também acho que existe uma diferença entre homossexuais e bichas, mas concerteza os do desfile são mesmo bichas.
Falando sério, eu respeito muito as opções de cada um, mas realmente também penso que não é com este tipo de atitude que se façam respeitar, muito pelo contrário tornam-se apenas motivo de risos e piadas.
E eu não sou assim tão culta, só cresci torcendo pela verde e rosa mangueira e aprendi as cores de algumas das escolas de samba, que nunca tive o privilégio de ver ao vivo e a cores.

Jorge Pessoa e Silva disse...

Fátima

Concordo a cem por cento. Aliás, eu às vezes ponho-me a jeito com as minhas palhaçadas, depois não posso levar a mal que as pessoas se riam de mim... rs... rs... rs... rs.... rs.... rs...

Culta sim senhor. E de muito bom gosto. Eu também gosto muito de verde... rs....rs .... Então este sábado, nem se fala... rs... rs...

(pronto, raramente consigo escrever duas frases sérias, é irresistível...rs...rs...)

Beijinho

Fátima ( EAM) disse...

Jorge eu não acredito que alguém possa rir de ti mas sim contigo. É verdade que tens um jeito muito teu, que nos diverte, mas é de pessoas assim que precisamos para iluminar os nossos dias. Além disso, acho que todos percebemos o conteúdo mais sério no meio de toda a brincadeira. Continua assim, não mudes nunca.
Só queria acrescentar que em Portugal eu não sou tão "verde". Cá eu gosto mais de encarnado.
Beijinhos.

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..

Fátima, bem me parecia que por cá era mais o vermelho...rs..rs... Gostos... rs...rs..

Quanto a eu puder mudar, não há esse risco. E sem fazer sacrifício algum, logo sem mérito...rs...rs.. Serei sempre assim porque não sei ser de outra maneira. O que, bem vistas as coisas, nem sei se é bom se mau...rs...rs...rs.... (lá estou eu outra vez...rs...rs...rs..)

No mais, OBRIGADO

Beijinhos

Lize disse...

"Há um amigo meu que vive nos Estados Unidos e que diz, na brincadeira, que o melhor que pode acontecer a um americano é ser gay, preto e judeu ao mesmo tempo..."

;P O teu amigo tem toda a razão :P
Eu também acho que deveria haver uma ala para lésbicas. Também têm direito ou não? Se é para fazer estas divisões, que se façam decentemente :P


Beijocas :)

Moon_T disse...

Caro Jorge,

o que é que isso tem de especial?
Pelo menos nós temos o Magalhães em Torres vedras. Mas pior que isso é "mais uma vez" uma juiza sentenciar uma censura (que por si só é ridiculo, quanto mais no dia seguinte "des-sentenciar" o dito pelo não dito.


Lei? Pelo menos já todos constatámos ou começamos a constatar que essa pequena palavra é tão real como uma qualquer outra utopia.
Pelo menos em Portugal...


Aquele abraço e
obrigado

Moon_T disse...

já agora... aposto em quem?
Benfica ou Sporting? tenho de fazer uma aposta e nao dá para apostar no arbitro...

Jorge Pessoa e Silva disse...

rs..rs..rs..rs..rs..

Lize, não podia estar mais de acordo contigo... rs...rs..

Beijinhos, que sempre sei que preferes aos Big Kisses...rs..

Jorge Pessoa e Silva disse...

Grande Moon_t


Folgo em receber-te, como é óbvio. E em perceber que o tempo passa e te apura o verbo...rs... Ou melhor, a capacidade de adjectivares as coisas.

Assino por baixo, em tudo...

Abração

Jorge Pessoa e Silva disse...

Moon


Já vai tarde a minha resposta... rs...rs... A aposta no árbitro, antes do jogo, era a mais sensata.

Agora, só tenho 8 letrinhas para dizer

S P O R T I N G


Grande abraço

Jr disse...

A idéia de que os Gays ou os Negros querem um espaço só seu para se distinguir dos demais e de que o ideal é que não houvesse separações, só pode vir realmente de quem não entende o que se passa. Não foram os negros ou os homossexuais que criaram as divisões! Meu deus do céu, eles são vítimas delas. Se vocês tivessem que esconder seu olhar, seus gestos afetivos, seus parceiros ou sua etnia para não sofrer discriminação, humilhações e, até violência, entenderiam por que a necessidade do gueto. Antrropologicamente se sabe que o gueto não é criado pela vítima do preconceito, mas pelo contrario, é um lugar necessário para que ela possa se proteger do terror que pode acontecer às suas vidas em uma sociedade pautada pela intolerância.

Anónimo disse...

Fico entristecido que ainda se emitam opiniões como a que vimos aqui, sociologicamente e antropologicamente infundadas, e, ainda por cima, tiranas. Não entender que haver uma ala gay em um desfile é um sintoma do comportamento neurótico, não das pessoas que se encontram lá, mas de uma cultura que é capaz de lhe machucar muito se esses indivíduos não estiverem nessa condição - apartados. Dizer que em um desfile só se vai para dançar, ou é ingênuo ou é fascista. Que adulto não sabe que Carnaval é uma festa pautada na sexualidade? E que, portanto, nesses ambientes também há flertes e namoros. E que se homens e mulheres se encontram, flertam e podem se beijar em um desfile, preciso eu lembrar aqui que os gays não podem fazer isso? Não porque eles querem fazer separados, mas simplesmente porque a sociedade não quer que eles façam dessa maneira, e para que possam fazer sem ser xingados de bichas loucas como vcs se permitem fazer aqui.

Anónimo disse...

Fico entristecido que ainda se emitam opiniões como a que vimos aqui, sociologicamente e antropologicamente infundadas, e, ainda por cima, tiranas. Não entender que haver uma ala gay em um desfile é um sintoma do comportamento neurótico, não das pessoas que se encontram lá, mas de uma cultura que é capaz de lhe machucar muito se esses indivíduos não estiverem nessa condição - apartados. Dizer que em um desfile só se vai para dançar, ou é ingênuo ou é fascista. Que adulto não sabe que Carnaval é uma festa pautada na sexualidade? E que, portanto, nesses ambientes também há flertes e namoros. E que se homens e mulheres se encontram, flertam e podem se beijar em um desfile, preciso eu lembrar aqui que os gays não podem fazer isso? Não porque eles querem fazer separados, mas simplesmente porque a sociedade não quer que eles façam dessa maneira, e para que possam fazer sem ser xingados de bichas loucas como vcs se permitem fazer aqui.

Anónimo disse...

Jurandir Feire Costa, Psicanlista, defende que o gueto é uma reação de defesa a uma tragédia crônica. Ele não é uma ação original, mas apenas reacional – uma organização de defesa (em relação aos sujeitos que não te aceitam) e de solidariedade e compartilhamento (entre pessoas que se aceitam e possuem problemas comuns). Nos idos de 1990 surge o termo simpatizante, para incluir no Gueto os poucos sujeitos dessa cultura, que, apesar de não possuir os aspectos que motivam a discriminação, são verdadeiramente solidários – e que são recebidos com prazer no gueto. A antropologia da separação mostra que a vítima, mesmo quando preserva esse espaço de isolamento para impedir a prática das violências, ainda assim, se sente discriminado e preferiria viver integrado – desde que, incondicionalmente, com pessoas que não vão lhe machucar, como expondo um blog como esse. Leiam um pouco mais antes de expressarem opiniões tão enfáticas sobre algo que não viveram.

jr disse...

Dizer dessa forma gratuita que ser negro, judeu e homossexual é bom, só pode aparecer de um debate marcado pelo fascismo e pela eugenia. E talvez, depois, ao observar que nessa lista não há negros, judeus e homossexuais, vocês se perguntem por que eles montariam um blog gay, de negros ou judaico, e eu repondo: seria para não ter que perder tanto tempo como eu me proponho aqui, para explicar coisas tão básicas e dolorosas. Porque já estão cansados de lutar contra uma verdade de um provérbio árabe: A ignorância é vizinha da maldade. E se o caminho que alguns querem – incluindo aí principalmente os discriminados – é um mundo sem separações, não podem ser as minorias, os grupos dominados e discriminados que devem sacrificar integralmente suas vidas por essa utopia.

jr disse...

O fato é que só conseguiremos isso em um processo longo e sacrificado, e, enquanto não chegarmos nesse shangrilá sociológico, as pessoas que são discriminadas vão buscar espaços protegidos para sua existência, e os demais que estão em uma posição hegemônica, ao invés de criticá-los deveriam se solidarizar dizendo: Viu, se não perdêssemos tanto tempo em separar homossexuais de bichas loucas, se não nos permitíssemos comentários preconceituosos como ‘o bom é ser negro nos EUA’, talvez eles não precisassem se separar de mim.

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva jr.

Obrigado pelo seu comentário. A sério. Acho-o muito sensato e coloca o dedo nalgumas feridas.

Eu entendo o seu ponto de vista, mas o meu ponto é este: para quem, como eu, não faz questão sequer de saber se a pessoa é hetero, homo ou bissexual, podem incomodar-me certas manifestações.

Eu sentir-me-ia ridículo se fizesse uma manifestação a dizer que sou heterossexual... A orientação sexual é algo que só ao próprio diz respeito e para mim é completamente indiferente a orientação de casa um. E quanto à cor da pele é a mesma coisa. Todos somos diferentes, a pele é apenas mais uma característica, como os olhos, o tamanho do nariz, os cabelos, etc. Somos todos diferentes e, no fundo, todos iguais no que interessa: o coração, a humanidade, o amor, etc...

Ok, eu sei que a sociedade não vê as coisas todas assim. Eu concordo que a sociedade muitas vezes empurra as minorias para guetos. Não me parece é que certo tipo de manifestações ajude. Quem discrimina vai discriminar ainda mais; quem não discrimina ou nem liga ou acha algumas manifestações manifestamente exageradas. Até porque eu quero estar ao pé dos brancos, dos negros, dos hetossexuais, dos homossexuais, dos judeus, dos cristãos, dos muçulmanos, etc... Não porque sejam isso tudo, mas porque são seres humanos.

Também não gosto das manifestações de condescendência de gente que quer tanto afirmar-se pela tolerância que pode ser confundida outra forma de racismo disfarçado ou subconsciente. Por isso critico quando acho que tenho de criticar. Mais pelo bom ou mau gosto de certas exibições do que por quem as promove.

Não sei se consegui explicar o meu ponto de vista. Um abraço e obrigado pelo comentário

Jorge Pessoa e Silva disse...

Viva anónimo

Claro que o Carnaval é tudo isso. Tal como a vida. E concordas ou não que num mundo ideal isso pode ser feito de forma tal natural que não houvesse necessidade de separação? Se uma escola de samba anunciasse uma ala para heterossexuais isso não seria ridículo? Eu, como heterossexual recusaria estar numa ala para heterossexuais... Ou sambaria no meio de toda a gente ou não sambaria. Por isso, sonho com o dia em que soe rídículo criar alas para gays, como para negros, judeus, o que seja. Seria sinal que estavamos todos juntos, em festa, e que ninguém se incomodaria com a pessoa com quem cada um estar a 'flirtar'.

Gostava que as pessoas, por exemplo, se concentrassem no beijo e não no género das pessoas que o estão a dar.

Grande abraço