segunda-feira, 5 de julho de 2010

O fim das relações

Acabar uma relação raramente é uma tarefa fácil. Há quem despeje, de rajada, o 'diccionário do vernáculo português', há quem tente uma saída airosa, sendo a mais desastrada aquela do «não sou a pessoa ideal para ti, tenho a certeza de que vais encontrar melhor». Confesso que esta explicação me irrita tanto, que, por ironia, a pessoa está certa: haverá aos pontapés quem tenha mais imaginação e bom senso do que quem inventa uma desculpa destas. O que eu gostava era de ver essas mesmas pessoas chegar ao pé do patrão e dizer: «vou-me despedir, não sou o empregado ideal para si, de certeza que vai encontrar melhor...» (Espero que o Sócrates leia isto, não porque o vou chamar à razão, mas sempre o irrito...)

Dito isto, bato palmas a quem teve a santa imaginação de acabar a relação desta forma:

8 comentários:

P.B. disse...

Realmente, acabar a relação assim é do pior :|

Jorge Pessoa e Silva disse...

Olá P. B.


Soa sempre a falso uma desculpa dessas...

Beijocas

Pedro Correia ou Poeta Acácio disse...

pobre Jennifer... tadita! Mas até k o rapazola teve uma grande imaginação... até s deu ao trabalho d por bonecada e corações e tal e tal... hehehehehehehehehe
um artista de facto!

abraço

TENHO DITO

Miss Shag well disse...

Oh, Jorge, nem quando é verdade, verdadinha, a mais pura das verdadinhas todas? :)))


Beijos

Jorge Pessoa e Silva disse...

Grande Poeta Acácio

Eu acho que devemos ter sermpre um grande estilo, para o bem e para o mal. E o rapaz teve estilo...rs..rs..

Abraço

Jorge Pessoa e Silva disse...

Olá, Joana

Nem mesmo quando é verdade. Quando eu gosto mesmo de alguém eu não passo a acreditar que sou o melhor homem do mundo, a pessoa mais bem formada, o melhor que essa pessoa pode ter. Se tenho a noção que não sou perfeito para ela, tenho é medo que ela 'descubra' ou que ela me troque, que ela se canse.

Claro que pode haver um ou outro que, genuinamente, aconselha a outra pessoa a procurar melhor. Mas esses são casos patológicos: os que têm medo de ser felizes.

Beijinhos

Equilibrista disse...

Ai Jesus... O rapaz foi cruel... =/
Eu continuo a achar estúpido como é que mesmo que nós saibamos que a pessoa não é a certa, ou que a relação nunca iria dar certo, muitas vezes se torna difícil não ficar triste e em baixo... mesmo que tenha sido um relacionamento curto. E sei que isto é discurso de menina de 20 anos, mas gostava de aprender depressa a lidar com esse tipo de circunstância...

Já há uns tempo que não dava aqui um pulinho, e acertei logo no dia dos teus anos ;)

Jorge Pessoa e Silva disse...

Equilibrista :-)


Não, não é discurso de menina de 20 anos. É discurso de gente de todas as idades. Que começa na dificuldade em assumirmos rupturas que sabemos inevitáveis e passam pela pena que, apesar disso, às vezes sentimos.

Somos seres demasiado complexos. Tenhamos 20 ou 40, como eu.

Beijinhos